“Milho” documentário de realização de José Barahona e autoria de Élio Sucena, Ana Larcher Carvalho e Shrikesh Laxmidas

M I L H O um filme de José Barahona

Será exibido HOJE dia 12 de Dezembro às 21:00 na RTP2

HOJE dia 12 de Dezembro às 21:00 na RTP2

“Milho” é um documentário da autoria dos cientistas e investigadores Élio Sucena, Ana Larcher Carvalho e Shrikesh Laxmidas com realização de José Barahona. Uma produção FILMES DO TEJO, com co-produção da MPC & Associados (Brasil), financiada pela FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROGRAMA IBERMEDIA e RTP 2. Este documentário lança um olhar sobre a influência transversal da ciência e da tecnologia na nossa história, quotidiano e percurso comum enquanto civilização.

Estamos no limiar de uma nova mudança à escala global com o surgimento da tecnologia dos organismos geneticamente modificados. De que forma pode a história do milho ajudar-nos a descodificar a vasta teia de acontecimentos históricos, sociais, culturais, económicos, científicos e políticos associados ao impacto da ciência e das tecnologias na organização das nossas sociedades?

Será a tecnologia de transgénicos verdadeiramente perigosa para a saúde e para o equilíbrio ecológico? Ou estaremos apenas perante mais uma fase na evolução tecnológica que permitirá reduzir o impacto ambiental, aumentar a produtividade agrícola e erradicar a fome?

Um documentário rodado em Portugal, Estados Unidos, México e Brasil, com entrevistas a peritos internacionais em diversas áreas cientificas e com a participação especial de Custódia Gallego e João Pedro Cary.

SINOPSE

D. Ana prepara uma salada de milho para a sua família. Na televisão as notícias são contraditórias: alguns pregam os benefícios das novas variedades de milho transgénico e outros, pelo contrário, levantam questões catastróficas em relação a este novo avanço tecnológico. D. Ana fica sem saber o que é ou não seguro para alimentar a sua família… Mas a história do milho não começou aqui. Ela é parte integrante da forma como evoluiram as nossas civilizações. Tomando o milho como “personagem” principal, este filme fala-nos da influência da tecnologia nas formas de viver das nossas sociedades, no passado, presente e futuro.

AGRADECEMOS TODA A DIVULGAÇÃO POSSÍVEL

UM FILME APOIADO POR:

Fundação para a Ciência e Tecnologia, Programa Ibermedia, RTP2

Com a participação de Fundação Calouste Gulbenkian, Ciência Viva, Poci / União Europeia

PARA MAIS INFORMAÇÕES:

Nuno Félix | nunofelix@filmesdotejo.pt | 91 736 73 41

Missa de corpo presente rezada na Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Boavista. Porto, 7 de Novembro de 2009

Fim de um tempo

Fim de um tempo

Fim de se saber exactamente qual a terra, o destino e o que se tem de fazer

Viver como se tem de viver. Com a tradição dos antepassados na tolerância e na regra. A saber o passo seguinte. Habitual. Espontâneo. Esse mesmo e não outro. Pela terra Mãe, por nós e pelos demais, na ideias de Deus e da piedade. Sempre presente. Estas as certezas que eram dela.

Mas deixa-nos no fim destes tempos. E não obstante, também um rumo de continuarmos em frente. Inventado um novo tempo igual ou elegante, quando menos, através do Português que nos ensinou a todos, neste domínio do pensar com as palavras verdadeiras e exactas que nos guiaram e guiam na Mátria.

Devemos-lhe as armas de nos sabermos e de sabermos o mundo em volta. Sem dúvidas acerca do perene e do eterno, lá adiante.

Deixou-nos as armas de acreditarmos. Nesta hora é a hora. Sem rodeios, sem alardes, como deve ser.

Tinha, sem a declamar, uma concepção heróica da vida. Para cumprir-se. Fê-la, numa dedicação extrema, que não parecia esforço, mas era severidade e rigor.

Olhos que nos olhavam nos olhos, com o sereno clarão do primeiro dia de alvorada.

A doce paz dos tempos que a tenha para sempre, nossa Avó.

Talvez consigamos cumprir-lhe o mando e, nos fins dos dias, adormeceremos, então, com tranquilidade e sorrisos.

Missa de corpo presente rezada na Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Boavista. Porto, 7 de Novembro de 2009

 

Praxe: Insultar para integrar será uma boa ideia?

A praxe representa um empobrecimento da participação cívica e da vida cultural dos estudantes e é também causa deste. Reproduz uma ideia boçal do que é a vida académica. Evoluiu para um modelo militar, que serve os propósitos da formação de soldados, mas não da universidade que deve estimular a criatividade, inteligência e imaginação, e onde a diversidade e a afirmação da diferença deveriam liderar. Mas está condenada a desaparecer. Não por proibição. Mas porque os alunos têm de querer mais do que isto. Não por ser imoral. Mas por ser chato e foleiro. (Artigo original de MANUEL CALDEIRA CABRAL)

mural_14

MANUEL CALDEIRA CABRAL, Insultar para integrar será uma boa ideia? Jornal Negócios, 08-10-2009

Fonte: http://www.mynetpress.com/xml/amnistia/noticia.asp?id={8BFD23C0-40C1-4010-B13D-5C7E53EC4035}

Hoje o principal problema das praxes não é a sua violência. É antes o seu carácter e a sua extensão. As praxes são longas, duram meses, absorvendo demasiado tempo e energia dos alunos. Evoluíram para um modelo militar, em que os alunos ficam em sentido, marcham e recebem ordens e insultos como se estivessem na recruta.

Este modelo serve bem os propósitos da formação de soldados, onde a uniformização e o sacrifício do indivíduo face ao grupo são objectivos importantes, mas dificilmente se percebe na universidade, onde se pretende estimular a criatividade, inteligência e imaginação, e onde a diversidade e a afirmação da diferença deveriam liderar numa fase em que cada aluno procura afirmar a sua identidade.

Mariano Gago tem razão quando, no seu recente comunicado, diz que “a degradação física e psicológica dos mais novos como rito de iniciação é uma afronta aos valores da própria educação e à razão de ser das instituições de ensino superior e deve ser eficazmente combatida por todos”.

De facto não lembra a ninguém acolher novos elementos numa instituição começando por os insultar, e continuando a arrastá-los durante todo o ano em actividades inúteis, que acabam por os impedir de se integrarem numa vida académica digna desse nome.

Este modelo de praxe já existe há alguns anos. Há quinze anos já havia abusos e muita estupidez. Afinal, já na altura, os alunos menos interessantes eram os mais interessados em praxar. Mas as coisas acabavam em quinze dias e não se via alunos a marchar ou em formação a olhar para o chão durante meses.

A praxe não se prolongava tanto, nem era vista como a principal actividade académica. Hoje, em muitas universidades, é.

Para muitos alunos, a praxe confunde-se com a vida académica Confunde-se porque ocupa quase todo o primeiro ano e por ser a principal actividade dos alunos do último ano. Confunde-se porque os códigos e rituais da praxe se reproduzem nas festas e noutras actividades.

O modelo de praxe actual é um reflexo do empobrecimento da participação cívica e da vida cultural dos estudantes do ensino superior português, mas é também uma causa deste. Este modelo reproduz em cada nova geração a mesma ideia boçal do que é a vida académica. Os alunos mais interessantes acabam por se ver obrigados a viver à margem desta ou a emigrar de Erasmus para paragens mais estimulantes.

Este empobrecimento está a criar uma geração para a qual passar pela universidade não significa estar mais informado ou envolvido com o mundo. A maioria dos alunos do ensino superior não lê regularmente jornais ou livros, não vai ao teatro, à ópera, não vê cinema diferente do de Hollywood. Para a maioria, a vida académica não cria novos hábitos culturais.

Este quadro é muito diferente do vivido pelos alunos de outros países europeus. A maior parte destes países não tem praxe. E, no entanto, tem alunos mais integrados numa vida académica saudável.

Quando um aluno entra numa universidade inglesa é convidado a participar na “Welcome Week”. Esta é marcada por jogos, desportos, concursos e actividades culturais e por festas diferentes todas as noites.

A ideia é dar as boas-vindas (por isso “Welcome”). A segunda ideia é integrar os alunos. Assim, esta semana, para além de actividades recreativas e festas, também os convida a aderir a organizações e associações (desportivas, culturais, políticas, lúdicas, etc.) que apresentam as suas actividades e tentam angariar novos sócios. Os alunos juntamse ao clube de remo, de rugby, de futebol, ou de montanhismo, e também às sociedades de leitura, grupos de teatro e de poesia. Em paralelo, são convidados a participar em organizações como a Amnistia Internacional, Greepeace, WWF, ou a OXFAM.

Todos estes clubes, associações e organizações fazem parte da vida académica europeia e contribuem para a integração dos novos alunos, em paralelo com actividades curriculares e as festas e bares onde os alunos se encontram ou se apresentam com as suas bandas de garagem.

É por esta razão que a “Welcome Week” é apenas uma “Week”. Esta semana não é suposto ser a vida académica, serve apenas para abrir e apresentar os alunos à vida da universidade, deixando que escolham a integração com que mais se identificam.

Uma enorme diferença face à praxe que hoje se pratica em Portugal. Uma tortura chata longa ordinária e desinteressante, dirigida principalmente pelos alunos menos interessantes, em que os que entram são chateados em actividades sem graça onde apenas conhecem pessoas do mesmo curso.

Este modelo está condenado a desaparecer. Não por proibição. Mas porque os alunos têm de querer mais do que isto. Não por ser imoral. Mas por ser chato e foleiro. É importante começar desde já a dar alternativas dentro dos campi universitários, trazendo mais actividades culturais, promovendo actividades interessantes para os alunos do primeiro ano e estimulando a participação cívica dos alunos.

Este é um papel em que os professores, os actuais alunos, o Ministério da Cultura e o do Ensino Superior têm de apostar, se queremos mudar o que é ser um universitário e se queremos que a universidade dê o seu contributo para a vida cívica e cultural de Portugal.